Casa.

"Nunca tive um sítio a que chamasse casa, talvez por isso chamasse casa a tantos.

( . . . )

Só percebi mais tarde que casa é um lugar que se faz com as mãos. Que só chamas casa ao que abre os braços para te receber. Que só chamas casa ao que te faz sentir em casa do outro lado do mundo. Que casa é um lugar no peito de alguém. Que estar em casa é deitar a cabeça no teu colo. Tu a tua no meu. Que essa é a verdadeira casa. Que tudo o resto interessa pouco. Que a geografia, essa, não interessa nada."

Tu foste (és) a minha casa...

Comentários

Mensagens populares deste blogue